Pesquisar este blog

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Delírios. Olavo Bilac


Nua, mas para o amor não cabe o pejo
Na minha a sua boca eu comprimia.
E, em frêmitos carnais, ela dizia:
– Mais abaixo, meu bem, quero o teu beijo!

Na inconsciência bruta do meu desejo
Fremente, a minha boca obedecia,
E os seus seios, tão rígidos mordia,

Fazendo-a arrepiar em doce arpejo.
Em suspiros de gozos infinitos
Disse-me ela, ainda quase em grito:
– Mais abaixo, meu bem! – num frenesi.

No seu ventre pousei a minha boca,
– Mais abaixo, meu bem! – disse ela, louca,
Moralistas, perdoai! Obedeci....
Olavo Bilac

Por: Wcastanheira Confesso que exitei antes de postar a poesia erótica Bilaquiana, faz pouco tempo q li esta pérola, onde delicadamente ele admite um prazer invertido, pervertido, uauau uma delícia saber q o vate patriótico, tinha lá seus delírios, tb, viu? Pra vcs bjos e bjos.

7 comentários:

  1. Mas que obediência mais danada de boa!! Bilac era um poeta muito obediente... rs
    Adorei a escolha!!
    Sexo e desejo são atemporais... Graças a Deus, né?!
    Beijos obedientes tb!! rs
    Helô

    ResponderExcluir
  2. Desobedeça, invente, ouse, meu amigo! rsrsrs
    Bjkas, muitas!

    ResponderExcluir
  3. oooo trem bão!!!!! bom final de semana poeta querido.

    bjosss...

    ResponderExcluir
  4. Gostei...um poema ousado e com um toque bem humorado...
    Quem não tem seus próprios delíros, sejam comportados ou mais ousados, que atire a primeira pedra...rsrsss...
    Beijos pra ti...
    Valéria

    ResponderExcluir
  5. Hum...que delirios...

    Bom dia amigo.

    beijooo.

    ResponderExcluir