Pesquisar este blog

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Tua ausência, minha saudade...

Do teu silencio, sobrou minha saudade, das brincadeiras, do teu cabelo caindo sobre a testa, da tua foto adormecida, das viagens e dos passeios, aprofundou-se e alimenta-se esta quase crônica... Saudade.
Das trocas de fotos, das mensagens e dos delírios, alimentou-se minha ilusão.
Culpada? Não, responsável.
Responsável, por alimentar a este pobre poeta que jamais sonhou em te encontrar, mas em te encontrando jamais imaginou poder ser feliz em igual tamanho, nossas brincadeiras, nossos passeios inimagináveis aos mortais, pois apenas poetas e poetizas sabem o quanto é bom delirar.
Saudade, saudade, uma imensa saudade, bate, insiste me invade, lembro tua franja em desalinho, dos momentos de espera, eu ali, sozinho e você desligada, malvada deixando-me à beira do caminho, pra amenizar cada dia, vejo tua foto, linda, na escadaria.
Hoje ao poeta cabe a espera, à musa a decisão, volta ou alimenta esta saudade, esta solidão.


POR: Wcastanheira             Em delírios de um final de tarde, pensando na alma dos poetas, na pureza de quem ama e como são puros os verdadeiros amantes, como é bom ter saudades, como é bom saber que um dia vivemos. Pra vcs bjinhos e bjinhos.

2 comentários:

  1. Complicado ;////

    http://tudodiferentecomsamaralima.blogspot.com.br/
    Instagram - @samaralima_03

    Um beijooo! ♥

    ResponderExcluir